MENU DE NOÇÕES GERAIS DE PESCA DE ARREMESSO

Anzóis

    Dentre os diversos apetrechos de pesca, o anzol é a peça que menos modificações sofreu através dos tempos. Desde priscas eras até a época de Charles Kirby, o afamado fabricante inglês do século XVII, e desde Charles Kirby até os dias atuais, a peça atravessou os séciulos sem grandes modificações, conservando a mesma forma básica. Mesmo a era da tecnologia pouco acrescentou ao anzol, exceto pequenos melhoramentos.

    Na pesca de praia como estamos considerando, os anzóis vão desde os bem pequenos, de números 18 e 16 na mundialmente conhecida escala norueguesa Mustad, até os grandes e fortes numerados 1/0 (um barra zero), 2/0, 3/0, etc., até 14/0, 16/0, destinados à pesca de peixes de grande porte, tais como os atuns e tubarões colossais pescados no sul do Pacífico. Tomamos como referência a escala Mustad, não só porque está bastante difundida entre os pescadores, mas também porque em matéria de numeração dos anzóis o que há no mundo é uma babel sem tamanho. Face à inexistência de um critério unânime entre os fabricantes, os pescadores assimilaram a escala numérica dos anzóis mais conhecidos. Se fosse como no caso das armas e munições de caça, por exemplo, em que as medidas são padronizadas e rigorosamente seguidas pelos fabricantes de todos os países, seria fácil identificar os tamanhos dos anzóis pelos números.

    Segundo o critério mais conhecido da Mustad, adotado pelo velho Ole Mustad tomando como base o padrão médio dos antigos fabricantes ingleses de anzóis de Redditch (que também nunca explicaram direito em que se baseavam para adotarem aquela escala), o número zero é o marco que divide os anzóis em grandes e pequenos. A partir do marco zero, a numeração dos anzóis pequenos vai subindo de 1, 2, 3 a 20, 22, 24 ou até onde for viável na prática, na razão inversa do tamanho--isto é,quanto maior o número, menor o anzol. Em outra direção, ao contrário, o tamanho dos anzóis aumenta na razão direta da numeração , na qual é acrescentado o barra zero: 1/0, 2/0, 3/0, e assim sucessivamente, até tamanhos tão grandes que não há o que pescar com eles, mas o fato é que todo pescador veterano ou qualquer vendedor de artigos de pesca conhece essa numeração.

    Diante desse quadro confuso, falar de anzol número tanto não significa nada. Para definir bem, seria dizer anzol marca tal, tipo ou ordem qual, número tanto. Por exemplo: Mustad (marca) O`Shaughnessy (tipo), ordem 34007, número tanto (tamanho).    

    Na prática, refere-se aos tamanhos dos anzóis com base na escala Mustad mais comum porque é o critério adotado nos seus anzóis  mais populares e conhecidos, tais como os tipos BestKirby, O`Shaughnessy, e Beak Hook (unha de gato). E dissemos escala Mustad "mais comum" considerando que a própria fábrica não adota a mesma escala para numerar todos os diferentes tipos de anzol que produz, contribuindo para aumentar a confusão reinante no setor. Seja como for, essa escala mais comum ou similar é também seguida por outros fabricantes europeus.

 

    Pela escala mais comumente utilizada pela japonesa Gamakasu (que também adota critérios diferentes de numeração conforme o modelo), os tamanhos recomendáveis em nosso caso variam desde os pequenos, de números 3, 4 e 5, até 20 ou mais. No caso da Gamakatsu e de outras fábricas japonesas, a numeração é feita em escala crescente, acompanhando o aumento progressivo dos tamanhos dos anzóis. Como, também, se trata de critérios (se é que há critérios) aparentemente incompreensíveis para definir bem o tamanho é necessário citar tipo e número, assim: Akita Kitsune número tanto, Sodê número tanto, Maruseigo número tanto--só para citar três tipos muito usados pelos pescadores de competição. Isso tudo talvez possa parecer muito teórico e inútil, mas na prática tem sua utilidade, na medida em que o pescador se acostume a associar os números à noção dos tamanhos correspondente. E o tamanho certo dos anzóis é um item de fundamental importância no rendimento da pesca.

    Dependendo da qualidade e têmpera do aço, alguns anzóis são duros e afiados, mas quebradiços; outros são maleáveis e não quebram, mas se abrem com facilidade.

    Dentre os tipos de anzóis empregados na pesca marítima, particularmente apreciados são os unhas-degato farpados (Beak Hooks) de aço inox, por serem fortes, mais resistente à água salgada e por causa das farpas retentoras de isca que têm na haste. Ademais, esse e outros tipos populares são dotados de olho (argola), o que facilita aos pescadores menos experientes o trabalho de empatá-los.

    Além dos anzóis convencionais, que servem para pescar a maioria dos peixes, existem modelos especiais, projetados para a captura de determinadas espécies ou para certos tipos de pesca. Isso sem falar na garatéia, permitida nas iscas artificiais.

    Para ser considerado ótimo, um anzol deve ter algumas características, tais como ponta aguçada, muito penetrante (que fisga fácil),capacidade de reter o peixe fisgado, resistência e durabilidade. Como se trata de qualidades difíceis de conciliar, na prática prioriza-se uma ou outra conforme se esteja praticando pesca leve ou pesada. em outras palavras, o enfoque em relação às qualidades do anzol muda em função da categoria de pesca. Na pesca de peixes de grande porte, dá-se ênfase à resistência (até porque fisgar não é problema), enquanto na pesca de peixes pequenos o mais importante é que o anzol seja "matador", isto é, que fisgue facilmente o peixe (pois aqui fisgar é problema). Anzóis grossos de farpa grande e ponta longa, como os Mustad popularmente usados e já citados, não perdem o peixe fisgado, mas não fisgam com a mesma facilidade dos tipos mais "matadores". Já os japoneses Gamakatsu, embora não tenham a mesma resistência e capacidade de segurar o peixe fisgado, mostram excepcional capacidade de fisgar, sendo por isso, quase uma unanimidade entre os pescadores de competição   

    Os anzóis mais fortes como os noruegueses que existem à venda, a granel, em qualquer loja do ramo e são largamente usados no Brasil, são fortes porque são mais grossos relativamente ao tamanho. Também seguram melhor o peixe ferrado por terem farpa maior. Mas por isso não têm a mesma aptidão para fisgar  dos japoneses Gamakatsu e assemelhados, de bitola mais estreita, farpa pequena e ponta curta.

    Nas competições de pesca de arremesso, onde basicamente se faz pesca leve e ninguém joga na loteria à procura de peixes enormes poucos prováveis, pois o que conta é quantidade e o tempo é limitado, o item prioritário em relação ao anzol é que ele seja "matador". O mesmo vale para qualquer pesca de barra leve. A propósito, acrescente-se, a título de informação e registro histórico, que antigamente, antes do aparecimento dos Gamakatsu por aqui em fins da década de 70, os pescadores de competição usavam alguns anzóis franceses, principalmente das marcas Au Lion d`Or e Viellard-Migeon, esguios e fracos em comparação com os noruegueses e desconhecidos dos pescadores comuns, mas considerados mais hábeis para fisgar.

 

Fonte: Noções Gerais de Pesca de Arremesso
Autor: Silvio Fukumoto