MENU DE CUIDADOS

Cuidado com o Candirú!

 

      Para melhor conhecermos o Candiru, vamos transcrever um trecho do livro Dicionário de Animais do Brasil, de Rodolpho Von Ilhring, que por seu relato não deixa dúvida sobre este peixe, chamados cientificamente de Vandellia cirrhosa. Diz ele: “Muito perigosa é a mania do Candirú que procura penetrar na abertura urogenital dos banhistas.

      Não só este fato foi várias vezes testemunhadas por médicos amazonenses, chamados a proceder a difícil extração, como também a população ribeirinha, temendo o candiru, toma providências para evitar acidentes dessa natureza, aos quais principalmente as mulheres estão mais sujeitas. Com evidente exagero os homens temem, até urinar na água dos rios habitados por candirus, porque estes, dizem eles, poderiam mesmo deste modo subir e penetrar.
      O fato é que os etnógrafos têm assinalado que em varias regiões amazônicas da Guianas, os índios protegem as partes pudentas, de forma a evitar acidentes, entre os quais os mais temido é o Candirú.

     O tamanho que esse peixinho atinge é 70-80mm, mas os exemplares de 40mm tem apenas 4mm de diâmetro e deste modo lhes é fácil insinuar-se de forma a penetrar completamente na cavidade. E o pior é que peixes desta família têm numerosos espinhos na região opercular e estes, ao se tentar a extração, cada vez mais se encravam nas carnes, provocando grande hemorragia

      Algumas espécies penetram nas guelras dos grandes peixes como o surubim, e aí facilmente obtém sangue em abundância; outras espécies atacam a região anal de peixes maiores e, lanhando as carnes, chegam a produzir grandes chagas”.

       De acordo com o relato de Von Ilhring, creio que devemos tomar o máximo cuidado quando estivermos em algum rio da região amazônica. Pior ainda é saber que o candiru e outros de sua espécie são encontrados em rios de todo o Brasil.

      Note este texto extraído do site: Clínica de Urologia Dr. Anoar Samad

     Caso clínico: "...Paciente de 23 anos, sexo masculino, procura o serviço de urgência com extrema dificuldade para urinar e sangramento pela uretra, com história de que há 3 dias sofrera um ataque por um peixe da região amazônica conhecido pelo nome de CANDIRÚ e que o mesmo havia penetrado em sua uretra quando estava urinando dentro do rio, referia-se que tentou segurá-lo, mas era muito liso e parecia ser de pequeno tamanho.

     Exame físico: O paciente se apresentava descorado, com febre, forte dor à manipulação do pênis, retenção urinária, sangramento pelo pênis e grande inchaço de bolsa escrotal. Encaminhado ao centro cirúrgico, e, sob anestesia, realizamos cistoscopia (endoscopia da uretra e bexiga) para diagnóstico e documentação do caso. Identificamos que o peixe era de grande tamanho ocupando toda a uretra anterior e com impactação perto do esfíncter urinário ou músculo que controla a urina (provavelmente, enquanto vivo o peixe tentou penetrar na bolsa escrotal, explicando o importante inchaço da mesma). Pensamos em abrir o períneo e retirá-lo por esta via, mas conseguimos retirá-lo por via endoscópica...".